A História de Peter, o Coelho

Era uma vez, quatro pequenos Coelhos, e seus nomes eram –

Flopsy,
Mopsy,
Cotton-tail,
e Peter.

[Illustration]

Eles viviam com sua Mãe em um banco de areia, embaixo da raiz de uma árvore de pinheiro muito grande.

[Illustration]

“Agora, meus queridos”, disse a velha Sra. Coelho uma manhã, “vocês podem ir para os campos ou para a estrada, mas não vão para o jardim do Sr. McGregor: seu pai teve um acidente lá; ele foi colocado em uma torta pela Sra. McGregor.

[Illustration]

“Agora corram, e não se metam em encrenca. Eu estou saindo. “

[Illustration]

Então a velha Sra. Coelho pegou uma cesta e seu guarda-chuva e foi pela floresta até a padaria. Ela comprou uma fatia de pão marrom e cinco bolinhos de passas.

[Illustration]

Flopsy, Mopsy e Cotton-tail, que eram bons coelhinhos, desceram a estrada para colher amoras:

[Illustration]

Mas Peter, que era muito desobediente, correu direto para o jardim do Sr. McGregor e se esgueirou por baixo da porta!

[Illustration]

Primeiro ele comeu algumas alfaces e algumas vagens; e então ele comeu alguns rabanetes;

[Illustration]

E então, sentindo-se um pouco enjoado, foi procurar alguma salsa.

[Illustration]

Mas ao final de uma plantação de pepino, quem ele encontrou foi o Sr. McGregor!

[Illustration]

O Sr. McGregor estava de joelhos plantando couves jovens, mas ele se levantou e correu atrás de Peter, agitando uma enxada e gritando: “Pare seu ladrãozinho!”

[Illustration]

Peter estava tremendo de medo; ele correu por todo o jardim, pois tinha esquecido o caminho de volta para a porta.

Ele perdeu um dos seus sapatos entre as couves e o outro sapato entre as batatas.

[Illustration]

Depois de perdê-los, ele começou a correr com as quatro patas e foi mais rápido. Então, eu acho que ele poderia ter escapado completamente se ele não tivesse, infelizmente, corrido para uma rede de groselhas e ficado preso pelos grandes botões de sua jaqueta. Era uma jaqueta azul com botões de latão, bem nova.

[Illustration]

Peter se deu por perdido e derramou grandes lágrimas; mas seus soluços foram ouvidos por alguns pássaros amigáveis, que voaram até ele em grande excitação e imploraram que se esforçasse mais.

[Illustration]

O Sr. McGregor chegou com uma peneira, que ele pretendia usar para cobrir Peter; mas Peter se esgueirou a tempo, deixando sua jaqueta para trás.

[Illustration]

Correu para o galpão de ferramentas e pulou em uma lata. Seria um ótimo esconderijo, se não tivesse tanta água dentro dela.

[Illustration]

O Sr. McGregor estava certo de que Peter estava em algum lugar no galpão de ferramentas, talvez escondido embaixo de um vaso de flores. Ele começou a virá-los cuidadosamente, olhando por baixo de cada um.

De repente Peter espirrou – ‘Atchim!’ O Sr. McGregor apareceu atrás dele em seguida.

[Illustration]

E tentou pisar em Peter, que pulou pela janela, derrubando três plantas. A janela era muito pequena para o Sr. McGregor, e ele estava cansado de correr atrás de Peter. Ele voltou para o seu trabalho.

[Illustration]

Peter sentou-se para descansar; ele estava sem fôlego e tremendo de medo, e não tinha a menor ideia de qual caminho seguir. Além disso, ele estava muito molhado por ter entrado naquela lata.

Depois de um tempo, ele começou a vagar, saltando e saltando – não muito rápido, e olhando em todos os lugares.

[Illustration]

Ele encontrou uma porta em um muro; mas estava trancada, e não havia espaço para um coelho gordinho se esgueirar por baixo.

Uma velha ratazana estava subindo e descendo pelo degrau de pedra, carregando ervilhas e feijões para sua família na floresta. Peter perguntou a ela o caminho para a porta, mas ela tinha uma ervilha tão grande na boca que não pôde responder. Ela só balançou a cabeça para ele. Peter começou a chorar.

[Illustration]

Então ele tentou encontrar o caminho direto através do jardim, mas ele ficou cada vez mais confuso. Depois de um tempo, ele chegou a um lago onde o Sr. McGregor enchia suas latas de água. Uma gata branca estava olhando para alguns peixes-dourados, ela estava muito, muito quieta, mas de vez em quando a ponta de sua cauda tremia como se estivesse viva. Peter achou melhor ir embora sem falar com ela; ele tinha ouvido falar sobre gatos, de seu primo, o pequeno Benjamin Bunny.

[Illustration]

Ele voltou para o galpão de ferramentas, mas de repente, bem perto dele, ele ouviu o barulho de uma enxada – ré-é-é-que, reque, reque, reque. Raspando no chão. Peter se escondeu debaixo dos arbustos. Mas como nada aconteceu, ele saiu, subiu em uma carroça e espiou. A primeira coisa que ele viu foi o Sr. McGregor plantando cebolas. Suas costas estavam voltadas para Peter, e depois dele estava a porta!

[Illustration]

Peter desceu muito silenciosamente da carroça e começou a correr o mais rápido que pôde, ao longo de uma caminhada reta atrás de alguns arbustos de groselha preta.

O Sr. McGregor avistou-o na esquina, mas Peter não se importou. Ele deslizou por baixo da porta e, finalmente, estava a salvo na floresta fora do jardim.

[Illustration]

O Sr. McGregor pendurou a pequena jaqueta e os sapatos em um boneco de espantalho para assustar os corvos.

Peter nunca parou de correr ou olhou para trás até chegar em casa na grande árvore de pinheiro.

[Illustration]

Ele estava tão cansado que ele caiu sobre a areia macia e agradável no chão da toca dos coelhos e fechou os olhos. Sua mãe estava ocupada cozinhando; ela se perguntou o que ele tinha feito com suas roupas. Era a segunda jaqueta e o segundo par de sapatos que Peter tinha perdido em duas semanas!

[Illustration]

Lamento dizer que Peter não estava se sentindo muito bem durante a noite.

Sua mãe o colocou na cama e fez chá de camomila; e ela deu um pouco para Peter!

“Uma colher de sopa para tomar na hora de deitar”.

[Illustration]

Mas Flopsy, Mopsy e Cotton-tail tiveram pão, leite e amoras para o jantar.

image_pdfDownloadimage_printPrint