O colhedor de rosas solitário

Era uma vez um colhedor de rosas chamado Mark. Mark vivia em uma pequena cidade e passava os dias colhendo rosas de um belo campo. Mark amava o seu trabalho e era conhecido por ser o melhor colhedor de rosas da cidade. Mas Mark estava se sentindo muito sozinho ultimamente. Veja bem, ele havia se separado recentemente do amor de sua vida e sentia saudades dela.

À medida que o Dia dos Namorados se aproximava, Mark ficava ainda mais triste. Ele imaginava todos os casais da cidade comprando rosas um para o outro e isso o fez sentir mais saudades de seu amor. Então, um dia, Mark decidiu colher todas as rosas do campo e colocá-las em seu caminhão. Ele então dirigiu seu caminhão para um local remoto e o escondeu lá.

No dia seguinte, o Dia dos Namorados chegou e todas as lojas da cidade estavam sem rosas. Os casais estavam desesperados e não conseguiam encontrar nenhuma rosa para dar um ao outro.

Mark sentou-se fora de sua casa, observando as pessoas da cidade correndo de um lado para o outro procurando por rosas. Mas ele se recusou a contar a alguém o que ele havia feito com as rosas. Ele sentia que ninguém se importava em como ele estava se sentindo, eles só se importavam com as rosas.

Mais tarde naquele dia, uma menina chamada Lily viu Mark sentado do lado de fora, parecendo triste. Ela se aproximou dele e perguntou o que estava errado. Mark foi hesitante no começo, mas eventualmente se abriu para Lily e contou sobre sua tristeza.

Lily ouviu pacientemente e tentou confortar Mark. Ela disse a ele que estava tudo bem sentir tristeza e que ela estava ali para apoiá-lo. Isso fez Mark chorar e ele sentiu um alívio.

Juntos, Lily e Mark foram para o local onde Mark havia escondido o caminhão cheio de rosas. Eles recuperaram o caminhão e trouxeram as rosas de volta à cidade.

As pessoas da cidade ficaram felizes em ver as rosas novamente e agradeceram a Mark e Lily por trazerem as rosas de volta. O Dia dos Namorados foi salvo e Mark se sentiu feliz novamente, sabendo que ainda havia bondade no mundo.

image_pdfDownloadimage_printPrint