Era uma vez um rei que vivia numa época em que ainda existiam fadas. Ele tinha três filhas, todas incrivelmente lindas e inteligentes. Mas ele amava mais a caçula, Miranda, porque a achava a mais bonita. Um dia, o rei teve que defender sua terra em uma guerra. Quando ele voltou ao castelo como vencedor, ficou animado ao ver Miranda e suas irmãs.

As três princesas estavam todas vestidas com vestidos de cetim feitos especialmente para a ocasião, cada um de uma cor diferente: verde, azul e branco.

O rei, que via motivos para tudo, perguntou à filha mais velha por que ela havia escolhido o vestido verde. Ela respondeu: “Verde é a cor da vitória e da sorte. Por isso escolhi o verde.”

A segunda filha disse: “Pai, escolhi azul porque agradeço aos céus por você ter voltado são e salvo”.

“E você, Miranda, por que um vestido branco?” perguntou o rei.

“Porque o branco é uma cor que me cai bem”, disse a filha mais nova.

O rei achou que a resposta de Miranda foi desrespeitosa com ele e certamente nada agradável. Mas como ele a amava tanto, ele não disse nada sobre isso.

“Bem, meninas, digam-me o que vocês sonharam ontem à noite”, perguntou o rei.

A filha mais velha sonhou que seu pai lhe deu um vestido especial bordado com ouro e adornado com pedras preciosas. A segunda filha sonhou que seu pai lhe deu uma roda de fiar e que ela a usou para fazer camisas para seu pai.

Miranda disse: “Sonhei que minha segunda irmã estava se casando e, no dia do casamento, você estava segurando uma jarra de ouro e disse: ‘Venha Miranda, vou derramar um pouco de água para que você possa lavar as mãos com ela.’”

O rei ficou furioso, e todos no castelo puderam ver que ele estava fazendo o possível para não explodir de raiva. Estranhos poderes deviam estar em ação agora que sua Miranda não mais demonstrava respeito por seu pai, o rei. Um vestido branco para se sentir bem consigo mesma e nada mais. E agora ele a teria servido em seu sonho como um escravo? Ele ficou cada vez mais irritado com o pensamento.

No dia seguinte, o rei levantou-se muito cedo.

“Acho que acontecimentos recentes significam que coisas estranhas vão acontecer contra mim”, disse o rei a seus guardas. Ele ordenou que levassem Miranda para a floresta e a matassem lá.

Mas os guardas não o fizeram. Eles deixaram a princesa no meio da floresta e contaram a ela o que o rei planejava fazer. Isso significava que ela nunca poderia voltar para o castelo.

A princesa caminhou mais para dentro da floresta até chegar a um rebanho de ovelhas. Entre eles estava um grande carneiro, que parecia impressionante com seus chifres de ouro e joias. Quando ele viu a princesa, ele a cumprimentou calorosamente em linguagem humana.

O carneiro explicou que já foi um rei, mas foi amaldiçoado por uma fada. Esta fada se apaixonou perdidamente por ele, mas não foi correspondido. Como punição, ela o transformou em um carneiro. O resto do rebanho eram seus amigos e tiveram o mesmo destino.

A princesa contou ao carneiro sobre suas dificuldades, que seu pai queria matá-la e ela não sabia por quê.

O carneiro a levou a um lindo castelo, que ficava bem escondido atrás de uma enorme montanha.

A princesa começou a se acostumar com suas conversas diárias com o carneiro, embora também sentisse pena que sua forma o torturasse. Mas ele garantiu a ela que seu encantamento não duraria mais do que cinco anos porque foi o que a fada lhe disse.

Um dia, o carneiro perguntou se Miranda queria ser sua rainha. Ele amava tanto Miranda que ela acabou se apaixonando por ele também. Além disso, o estranho encanto logo terminaria.

De tempos em tempos, o carneiro enviava mensageiros para acompanhar as notícias dos arredores. Desta vez, eles ouviram que a irmã mais velha de Miranda estava se casando. O carneiro amava tanto a princesa que permitiu que ela fosse ao casamento.

Naquele dia, ela usava roupas lindas e ninguém poderia suspeitar que era Miranda quem estava visitando o castelo da família. Mesmo o rei, seu próprio pai, não a reconheceu. Ao sair do casamento, deixou um baú para a noiva. O baú continha tantos tesouros que o rei exclamou: “Na próxima vez que ela vier ao nosso castelo, fecharemos os portões para que ela não possa sair tão repentinamente, como fez hoje”.

Não muito tempo depois, o carneiro e a princesa receberam a notícia de que sua segunda irmã também iria se casar. Ela implorou ao carneiro para deixá-la ir a este casamento também. O carneiro ficou inquieto e disse que traria azar. Mas ele a amava tanto que não podia recusá-la.

“Vá ao casamento de sua irmã, mas provavelmente significará minha morte”, disse o carneiro. “Eu deixei você ir para que você saiba o quanto eu te amo.”

A princesa assegurou-lhe que ficaria fora por pouco tempo.

Então ela voltou com roupas lindas e todos que a viram ficaram tão impressionados que pensaram que ela devia ser uma princesa de conto de fadas. Ninguém conseguia tirar os olhos dela. O rei ficou ainda mais feliz e mandou seus guardas trancarem o castelo de todas as formas possíveis. Desta vez ela não poderia deixar o castelo sem ser notada.

Ela ficou chocada quando não conseguiu abrir as portas quando queria sair. O rei implorou que ela ficasse um pouco mais para a celebração. Ele ofereceu a ela água de um jarro de ouro para que ela pudesse mergulhar seus lindos dedos nela. Ela não resistiu e disse naquele momento: “Olha, meu sonho se tornou realidade. Você está derramando água sobre minhas mãos de um jarro de ouro no casamento de minha irmã!”

O rei imediatamente a reconheceu e implorou perdão por sua decisão cruel porque entendeu por aquele sonho que previa a perda de sua coroa. “E isso aconteceu”, disse ele, “porque suas irmãs estão deixando este reino para governar outros reinos, então Miranda (e ele colocou a coroa na cabeça dela) eu dou a você meu reino. Vida longa à rainha!”

A corte inteira gritou: “Viva a Rainha Miranda!” As irmãs correram e a abraçaram, e ela contou-lhes tudo sobre suas aventuras a noite toda.

Enquanto isso, o carneiro ficava cada vez mais preocupado porque a princesa ainda não havia voltado para ele. Naquela noite, o carneiro foi à cidade para ir ao palácio de Miranda. Ele bateu na porta do castelo, mas ninguém respondeu. Enquanto isso, Miranda havia contado tudo a eles e eles não queriam que ela voltasse para o carneiro. Embora ele implorasse, e realmente implorasse de uma forma que derreteria o coração da pessoa mais fria, a porta permaneceu fechada para ele. Eventualmente, o carneiro morreu no portão de coração partido.

O rei, que não tinha ideia do que estava acontecendo em seu portão, providenciou para que Miranda andasse de carruagem pela cidade para se mostrar ao público como a nova rainha.

Mas o que ela viu ali, para sua grande tristeza, na entrada do palácio? Lá estava seu amado carneiro, imóvel na calçada.

Ela se jogou para fora da carruagem e correu para ele. Ela estava muito atrasada! Ela percebeu que havia quebrado sua promessa de voltar para ele rapidamente e que isso lhe custara a vida.

Veja bem, mesmo que você seja uma princesa, a vida nem sempre sorri para você. Especialmente quando você se esquece de manter sua palavra. E os maiores contratempos muitas vezes acontecem no momento em que você acha que tem o que sempre quis ter.


Downloads